5 dicas de tráfego pago para atrair pequenos negócios em tempos de COVID-19

Michelle Jakobs COVID-19

5 minutos 0 comentários

A vida que a gente conhecia até alguns meses atrás mudou muito: vários estabelecimentos estão fechados, (quase) todas as pessoas em casa, muitos desempregados… Com a pandemia global da COVID-19, os hábitos dos consumidores estão mudando – e as empresas estão tendo que se adaptar a essa nova realidade. 

Isso significa que as marcas e empresas que não se preparam ou ainda não migraram para o mundo virtual agora precisam correr para conseguirem se posicionar no mercado digital. E é nesse gargalo que mora uma grande oportunidade para quem sabe gerenciar tráfego pago.

Se você já trabalha pela internet e sabe utilizar ferramentas como o Google, o Facebook e o Instagram para atrair tráfego para a sua loja online e impulsionar as ofertas anunciadas, você tem um conhecimento poderoso em suas mãos.

Hoje, então, vou compartilhar com vocês 5 dicas para trabalhar com lojas, marcas e empresas locais que estão migrando para o mercado digital. As recomendações deste post vêm principalmente do trabalho que desenvolvo com meus alunos, que também estão buscando oportunidades de tráfego pago durante a pandemia. 

Descubra milhares de produtos para começar a vender online. Sem compromisso nem cartão de crédito.

Tenha Oberlo agora. É de graça.

1. Faça uma lista de leads na sua cidade ou bairro

computador aberto para fazer uma lista de leads

A primeira coisa a fazer é avaliar os estabelecimentos comerciais da sua cidade ou do seu bairro e determinar quais deles estão buscando um espaço no mercado digital. 

Lanchonetes e restaurantes, por exemplo, estão focados no delivery, então provavelmente estão buscando integrações com plataformas de entrega e espaços para anúncios nas redes sociais; as lojas de roupa e calçados, por outro lado, devem estar com os estoques parados e querem encontrar soluções de venda online.

Depois de listar esses estabelecimentos, verifique se eles já possuem perfis nas redes sociais. Em seguida, monte uma planilha com os seguintes dados:

Com esses dados em mãos, você vai poder avaliar o tipo de presença online que essas marcas já cultivam – e os elementos que podem ser otimizados ou reajustados.

2. Analise os pontos fracos e fortes dos perfis nas redes sociais

análise das redes sociais dos leads

Agora é hora de analisar os pontos fortes e os pontos fracos das redes sociais do seu lead – uma etapa importante do processo, pois pode te ajudar a identificar os pontos que precisam ou podem ser otimizados. 

Você também pode usar os pontos fracos apontados como parte da estratégia para convencer o cliente a contratar o seu trabalho; não se esqueça, afinal, que muitas vezes as pequenas mudanças já são o suficiente para trazer excelentes resultados.

Durante a sua análise, fique de olho em áreas específicas, como:

Esses elementos podem até parecer bem básicos aos olhos de quem já trabalha com mídias sociais; contudo, muitos estabelecimentos comerciais acabam ignorando esses recursos por falta de conhecimento.

3. Monte uma apresentação para os leads

Depois de analisar os pontos fortes e os pontos fracos das redes sociais dos seus leads, escolha aqueles que têm maior potencial para expansão online… E mãos à obra!

A ideia aqui é oferecer uma espécie de serviço de consultoria. Sugira algumas mudanças que podem ser realizadas nas redes sociais, indique o crescimento e os resultados esperados e, claro, explique com detalhes como funciona a aquisição de tráfego online.

Se necessário, mostre também como funcionam as estratégias de marketing pago via Facebook e outras redes sociais: não é raro encontrar um cliente que resista à ideia de ter que investir R$ 20 por dia em tráfego pago quando ele pode apenas postar nas redes sociais a custo zero.

call com os leads

4. Apresente a sua estratégia

Um dos meus alunos, que mora no interior do Ceará, recebeu pelas redes sociais o anúncio de uma hamburgueria localizada em Fortaleza – ou seja, um anúncio de um restaurante localizado a cerca de 600 km de distância. Nesse caso, o estabelecimento estava impulsionando o anúncio para todo o estado e, com isso, perdendo dinheiro. Esse aluno entrou em contato com a empresa, sinalizou o erro e ainda ganhou o contrato para otimizar as campanhas do restaurante.

Na verdade, comprar tráfego para pequenos negócios é muito mais simples do que parece: o Facebook e o Instagram, por exemplo, permitem a segmentação de campanhas por CEP e bairro. Além disso, esses canais também possuem uma integração direta com o WhatsApp, de forma que é possível criar uma maneira instantânea de realizar pedidos.

A grande sacada, nessas situações, é criar uma estratégia que ofereça um cupom de desconto (que pode ser feito no Canva) para as pessoas que forem expostas ao anúncio da marca. Dessa maneira, você não só incentiva o consumidor a comprar, mas também mostra para o seu cliente que o anúncio está trazendo resultados. 

Outra estratégia particularmente interessante é incentivar os consumidores da marca a enviarem fotos e contarem histórias que viveram dentro do estabelecimento; você pode usar esses materiais para otimizar e ampliar a presença da marca nas redes sociais.

5. Estabeleça uma tabela de valores

Como eu disse anteriormente, o maior desafio aqui é convencer o estabelecimento comercial a investir em tráfego digital. Por isso mesmo, pode ser uma boa ideia oferecer uma espécie de garantia ou ao menos um resultado concreto, como um número determinado de novos clientes ou um valor mínimo de lucros estimados.

Além disso, você deve deixar muito claro que o valor referente ao tráfego deve ser pago diretamente para a plataforma, e não para você. 

Se o gerenciamento das campanhas ficar sob sua responsabilidade, aconselho a criação de uma conta de anúncio para cada estabelecimento. Na hora de determinar um valor pelos serviços prestados, a minha sugestão é cobrar entre R$ 500 e R$ 1200 por mês, dependendo da quantidade de postagens e investimento em tráfego.

valores

Descubra milhares de produtos para começar a vender online. Sem compromisso nem cartão de crédito.

Tenha Oberlo agora. É de graça.

Quer saber mais?

Michelle Jakobs
Michelle Jakobs
Michelle Jakobs é empreendedora, dona de 7 lojas de dropshipping e especialista em tráfego para e-commerce. É uma das fundadoras do Labecom.